Cientistas descobrem conjunto de galáxias mais antigas e afastadas da Terra

Os satélites Planck e Herschel, foram desenhados para cartografar e analisar o cosmos desde uma órbita situada a 1,5 milhão de quilômetros da Terra. A imagem central mostra a Via Láctea: o risco no meio do desenho oval se refere à poeira cósmica de nossa galáxia. Os pontos pretos mostram a localização das protogaláxias, grupos de dezenas de galáxias que ainda estão se formando e que são, portanto, relativamente menores e "mais compactas" que a nossa. As imagens ao redor mostram a densidade de cada uma

Uma equipe internacional de pesquisadores localizou o conjunto de galáxias mais antigas e mais afastadas da Terra, formações que nasceram cerca de 2 ou 3 bilhões de anos depois do Big Bang e que são as precursoras dos cúmulos de galáxias que vemos atualmente.

O achado, publicado nesta terça-feira na revista “Astronomy & Astrophysics”, servirá para entender melhor a origem do Universo e qual é seu conteúdo.

Uma descoberta que não teria sido possível sem os satélites da Agência Espacial Europeia (ESA), Planck e Herschel, dois instrumentos desenhados para cartografar e analisar o cosmos desde uma órbita situada a 1,5 milhão de quilômetros da Terra.

O pesquisador do departamento de Física da Universidade de Oviedo e coautor do estudo, Luigi Toffolatti, explicou à Agência Efe que graças a estes dois satélites foram encontrados “grupos de galáxias mais antigos, os precursores dos cúmulos de galáxias que são vistos atualmente”.

Anteriormente tinham sido localizado galáxias mais afastadas da Terra que estas, mas “esta é a primeira observação concreta de protogaláxias que estão no interior de grupos” que, por sua vez, são os precursores dos agrupamentos de galáxias que vemos hoje, precisou o astrofísico.

Concretamente, as imagens captadas por Planck mostram grupos de dezenas de galáxias que ainda estão se formando e que são, portanto, relativamente menores e “mais compactas” que a nossa.

Além disso, “têm uma altíssima formação de estrelas”, porque estão sendo vistas na época em que estão se formando, um detalhe que não teria sido notado sem Planck, porque só este satélite observou “todo o céu” nos microondas.

Os detectores dos satélites Planck e Herschel eram sensíveis na região do espectro electromagnético do infravermelho distante e dos microondas, uma setor em que há poucos instrumentos especializados como estes.

Atualmente, à revelia de Planck e Herschel (ambos inativos já), o observatório ALMA, no Deserto do Atacama, no Chile, é o instrumento mais adequado para observar com mais detalhe alguns destes grupos ou protocúmulos de galáxias.

O achado ajudará a compreender melhor “como pôde a gravidade chegar a criar ao longo do tempo cósmico” as galáxias atuais e os grupos e cúmulos que são vistos na atualidade, embora passarão anos antes que os astrônomos sejam capazes de explicar muitas coisas.

“Só estamos no início deste projeto, os resultados mais impressionantes estão ainda por chegar durante os próximos meses”, ressaltou o professor Hervé Dole, diretor do estudo e astrofísico da Universidade de Orsay (Paris).

Até agora, graças aos dados facilitados por Planck, foi confirmado o achado de 228 agrupamentos de galáxias originárias, mas quando é analisada toda a informação dos satélites da ESA, “serão encontrados mais”, segundo Toffolatti.

Ao mesmo tempo, o achado demonstra que é importante contar com satélites capazes de captar, classificar e estudar os tesouros do cosmos. “Poderíamos dizer que Planck descobriu o cofre do tesouro ao achar estes grupos compactos de galáxias no Universo mais distante e Herschel olhou em seu interior para descobrir as brilhantes moedas de ouro ali escondidas, as galáxias de alta formação estelar”, descreveu Toffolatti.

O astrofísico está duplamente satisfeito pela descoberta já que confirma seus prognósticos “feitos há dez anos”.

É que, em 2005, este astrofísico, junto com seu colega do Departamento de Física da Universidade de Oviedo Joaquín González-Novo e aos pesquisadores Gianfranco De Zotti (Observatório Astronômico de Padova) e Mattia Negrello (SISSA de Trieste), previram que estes cúmulos de galáxias podiam ser observados por Planck e Herschel.

A ideia foi publicada em vários artigos pelas revistas “Astronomy & Astrophysics” e “Monthly Notices of the Royal Astronomical Society”.

Clube de Astronomia ÓrionClube de Astronomia Órion

© Copyright Clube de Astronomia Órion / ESA / UOL

Dias de Saturno são seis minutos mais curtos do que se acreditava

A Terra cabe 5,6 vezes no espaço da largura dos anéis de Saturno
A Terra cabe 5,6 vezes no espaço da largura dos anéis de Saturno

Cientistas da Universidade de Tel Aviv, em Israel, descobriram que o período de rotação de Saturno é diferente do que se acreditava até então. A confusão sobre a duração exata do dia no planeta começou no início dos anos 80, quando a nave Voyager definiu o período como de 10 horas e 39 minutos (em escala da Terra, é claro). A nave fez o cálculo baseado nas emissões de ondas de rádio emitidas pelo planeta. Porém, a nave Cassini, que chegou ao planeta em 2004, calculou um período mais longo, de 10 horas e 47 minutos.

Intrigados com essa discrepância, os cientistas, liderados pela professora Ravit Helled, perceberam que o campo magnético em volta do planeta é diferente de outros campos como o de Júpiter, por exemplo, que libera ondas de rádio que não deixam dúvida sobre a duração do dia em seu planeta (que é de 9 horas e 55 minutos, caso esteja curioso).

Os números conflitantes das duas naves mostraram que os períodos medidos não refletiam a rotação de Saturno. O time de Ravit deduziu a duração do dia a partir do campo gravitacional do planeta. Ao rodar rapidamente, o planeta distorce sua “linha do Equador” e seu campo gravitacional. Os cientistas calcularam essa distorção e chegaram à conclusão de que o dia em Saturno dura 10 horas, 32 minutos e 45 segundos, com uma margem de erro de 46 segundos.

O novo cálculo muda o que se sabia até então sobre a velocidade rotacional do planeta e também sobre a velocidade dos ventos.

Clube de Astronomia ÓrionClube de Astronomia Órion

© Copyright Clube de Astronomia Órion / UOL

Praia de Ipanema recebe show em apoio à ‘Hora do Planeta’

Campanha pede que pessoas apaguem as luzes por 60 minutos.
Playing For Change e Hamilton de Holanda são algumas das atrações.

 © Copyright G1

Uma multidão se reuniu na Praia de Ipanema, na noite deste sábado (28), para acompanhar os shows que apoiam a “Hora do Planeta”. A ação pede que população, governos e empresas apaguem as luzes por 60 minutos, das 20h30 às 21h30, em um ato simbólico global por soluções para as mudanças climáticas.

Apresentam-se em apoio à causa global o grupo Playing For Change e os músicos Hamilton de Holanda, Rodrigo Sha e Eduardo Neves, além do DJ Nado Leal.

O bondinho do Pão de Açúcar, o Jardim Botânico, o Pão de Açúcar, o MAM, o MAC de Niterói e o Shopping Rio Sul são alguns locais que vão aderirar à campanha e terão suas luzes apagadas.

Hora do Planeta tem show em Ipanema (Foto: Beta Saad/Arquivo Pessoal)
Hora do Planeta tem show em Ipanema (Foto: Beta Saad/Arquivo Pessoal)

Plataformas de gelo da Antártica estão perdendo volume rapidamente

Dados de satélite mostram encolhimento nas últimas duas décadas.

Se ritmo continuar o mesmo, placas poderiam desaparecer em 100 anos.

Foto de arquivo mostra aeronave DC-8, da Nasa, sobrevoando a plataforma de gelo Brunt, em outubro de 2010: observações de satélite revelam declínio das plataformas de gelo da Antártica ao longo dos anos  (Foto: Reuters/Michael Studinger/Nasa)
Foto de arquivo da Reuters mostra aeronave DC-8, da Nasa, sobrevoando a plataforma de gelo Brunt, em outubro de 2010: observações de satélite revelam declínio das plataformas de gelo da Antártica ao longo dos anos (Foto: Reuters/Michael Studinger/Nasa)

As plataformas de gelo que flutuam ao redor da Antártica estão perdendo volume cada vez mais rapidamente, alertou uma equipe de cientistas em um estudo publicado nesta quinta-feira (26) pela revista “Science”.

A pesquisa, feita por especialistas de duas instituições dos Estados Unidos (a Universidade da Califórnia, em San Diego, e o Centro de Pesquisa de Terra e Espaço em Corvallis, no Oregon), ressaltou a preocupação com a rapidez com a elevação do nível global do mar à medida que o clima esquenta.

As plataformas de gelo ao redor da Antártica têm se estreitado aceleradamente nas últimas duas décadas, sobretudo no oeste do continente, mostrou o estudo, que se baseia em dados de satélite recolhidos durante 18 anos.

O manto de gelo da Antártica, a espessa camada de gelo que cobre grande parte do continente, está ancorada por sua franja flutuante, plataformas de gelo que se projetam para fora no oceano. Essas placas agem como um contraforte para o gelo “aterrado”, ajudando a manter o fluxo das geleiras do manto de gelo no oceano.

Perigo de desaparecer
Se essas plataformas de gelo continuarem se estreitando a essa velocidade, poderiam desaparecer, o que faria com que as placas de gelo “aterradas” que sustentam a terra colapsassem no oceano.

As plataformas de gelo que rodeiam a Antártida ajudam a conter a libertação do manto de gelo no oceano.

Este efeito diminui quando as plataformas de gelo ficam mais finas, o que leva a um aumento da descarga de gelo no oceano.

O pesquisador Fernando Paolo e seus companheiros, que combinaram dados de três missões de satélite realizadas entre 1994 e 2012, descobriram que a maior parte da massa perdida era das plataformas de gelo dos mares de Amundsen e de Bellingshausen, no litoral oeste da Antártica.

As duas regiões representam menos de 20% do total da área de plataforma de gelo do oeste da Antártida, mas contribuem para mais de 85% do total do volume de plataforma de gelo perdido nessa zona.

Fim em 100 anos
Ao ritmo atual, duas das plataformas de gelo do litoral oeste poderiam desaparecer completamente em 100 anos, alertou a pesquisa.

O estudo também mostrou que a massa da plataforma de gelo do leste da Antártica cresceu entre 1994 e 2003, embora venha se estreitando rapidamente desde então.

Os dados em que o estudo se baseia foram recolhidos por três missões de satélites com altitudes sobrepostas (ERS1, 1992-1996; ERS2, 1995-2003; e Envisat, 2002-2012) entre 1994 e 2012.

Segundo os pesquisadores, suas conclusões demonstram que estudos anteriores sobre o afinamento das plataformas de gelo que rodeiam a Antártica, baseados em dados de satélite de cinco anos, não foram representativos de tendências mais longas.

© Copyright EFE / UOL

Hora do Planeta “apagou” a Torre Eiffel durante cinco minutos

Por razões de segurança, o monumento mais visitado do mundo não se manteve às escuras durante uma hora.

Agora vê-a, agora... menos. Durante cinco minutos a Torre Eiffel esteve sem luzes decorativas
Durante cinco minutos a Torre Eiffel esteve sem luzes decorativas Fotografia © EPA/ETIENNE LAURENT

A emblemática Torre Eiffel, em Paris, esteve hoje com luzes apagadas durante cinco minutos, para assinalar a Hora do Planeta, uma iniciativa que se comemora em todo o mundo contra o aquecimento global.

A Hora do Planeta cumpre-se durante uma hora, mas, por razões de segurança, o monumento mais visitado do mundo só esteve com as luzes desligadas durante cinco minutos, constatou um fotógrafo da agência de notícias francesa AFP.

Ao todo, em Paris, cerca de 300 monumentos estiveram, a partir das 20:30 (horário local), às escuras.

Para a organização ambientalista WWF, que promove a iniciativa pela nona vez, a ideia não é poupar eletricidade, mas lembrar o custo do consumo de energia para o planeta e exigir compromissos internacionais fortes para travar o aquecimento global.

Paris vai acolher este ano, entre 30 de novembro e 11 de dezembro, a conferência mundial sobre alterações climáticas.

A Hora do Planeta 2015 teve, de acordo com a WWF, a adesão de mais de 170 países, incluindo Portugal, onde se esperava que monumentos como o Palácio da Pena, em Sintra, estivessem sem luzes acesas durante uma hora, entre as 20:30 e as 21:30.

A Ponte de Sydney, na Austrália, a Torre Taipei, um dos edifícios mais altos do mundo, em Taiwan, bem como as torres gémeas Petronas, em Kuala Lumpur, na Malásia, também ficaram às escuras.

O Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, a Sagrada Família, em Barcelona, a Times Square, em Nova Iorque, o Big Ben, em Londres, a Catedral de Colónia e a Acrópole de Atenas constavam também da lista de locais com luzes apagadas.

© Copyright Diário de Notícias Portugal

Aracaju participa da ‘Hora do Planeta’ e deve apagar luzes por 60 minutos

Movimento sugere que luzes sejam apagadas das 20h30 às 21h30 de hoje.
Ato simbólico espera sensibilizar a população contra o aquecimento global.

A ‘Hora do Planeta’ acontece neste sábado (28) em todo o mundo. Em Aracaju será das 20h30 às 21h30 quando algumas empresas, residências órgãos públicos apagarão as luzes como ato simbólico em combate ao aquecimento global.

A iniciativa é promovida pela Rede WWF e está na sétima edição. No Brasil, mais de 100 cidades já aderiram a esse movimento. Aracaju faz parte desta lista com o Centro Administrativo Olímpio Campos e a sede da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Sema).

“É um momento de conscientização dos aracajuanos para o grande estágio de degradação que está o nosso planeta. O ato simbólico é uma corrente mundial para despertar, chamar a atenção e convidar as pessoas a cuidarem melhor da Terra”, destaca o secretário municipal do Meio Ambiente, Eduardo Matos.

© Copyright G1

Futuro da água brasileira pode ser decidido nos tribunais

O Brasil detém pouco mais de um décimo das reservas de água potável do mundo. No entanto, o País já registra um conflito por água a cada quatro dias, segundo o mais recente relatório da Comissão Pastoral da Terra, órgão ligado à Igreja Católica, obtido com exclusividade pela BBC Brasil. Em 2013, foram registradas 93 disputas locais em 19 Estados, 17% a mais do que no ano anterior. Mas esses conflitos não estão se tornando apenas mais frequentes. Também vêm assumindo dimensões inéditas.

Há pouco mais de uma semana, os governos de São Paulo e Rio de Janeiro vivem um embate. A razão é o projeto de São Paulo de captar água do Rio Paraíba do Sul e levá-la ao sistema Cantareira, grupo de reservatórios que abastece 15 milhões de pessoas na região metropolitana de São Paulo e no interior do Estado. O problema é que este rio já abastece outras 15 milhões de pessoas no Grande Rio e no interior paulista. O governo fluminense é contra a proposta. Desde então, Rio e São Paulo trocam farpas e ameaças de processo publicamente.

Não se tinha notícia – até agora – de um conflito desta proporção, envolvendo os dois Estados mais ricos da federação e que coloca em jogo o abastecimento de 15% da população do País. “É o conflito mais sério que já tivemos”, diz Sandra Kishi, procuradora regional da República e coordenadora do grupo de trabalho de águas do Ministério Público Federal (MPF).

Prejuízos
O Rio alega que será prejudicado porque hoje não tem outra fonte de abastecimento. São Paulo retruca que a ligação não trará prejuízos ao Rio, porque só captaria 5% do volume fornecido atualmente ao Estado fluminense e que a medida será vantajosa para ambos os Estados porque, quando chover demais no reservatório que atende São Paulo, será possível guardar o excesso de água no reservatório que atende o Rio (e vice-versa), criando um sistema de estoque para quando chover pouco.

São Paulo ainda alerta que o Rio não pode interferir na questão porque a ligação estaria dentro dos limites paulistas. “Providenciaremos os documentos necessários para a permissão”, diz o secretário estadual de saneamento e recursos hídricos de São Paulo, Edson Giriboni, à BBC Brasil. “Sempre podemos recorrer à Justiça se necessário. Se vamos ou não fazer isso, depende deles”.

Se a permissão for concedida a São Paulo, ela poderá ser questionada no Supremo Tribunal Federal, instância onde são resolvidas as contendas entre Estados. “Não se pode dizer que vai fazer o quiser porque o rio é fluminense ou paulista. O curso da água não respeita fronteiras”, afirma Kishi, do MPF. “Essa decisão caberá ao comitê que administra a bacia do Paraíba do Sul”.

Fim da ilusão
Haver disputas por água no Brasil é uma situação que, a princípio, parece contraditória. O País detém 12% da água potável do mundo e sempre foi apontado como uma das regiões do planeta onde haverá menos riscos de falta de água neste século.

Mas a estiagem entre dezembro e fevereiro passados, a pior em oito décadas, mostrou que essa abundância é uma ilusão. Há muita água, mas ela está mal distribuída. Cerca de 80% fica na região amazônica, onde vive 5% da população. Os outros 95% dos brasileiros precisam dividir os 20% que restam.

Esse problema se agrava porque grande parte das fontes de água nas regiões mais populosas do País está poluída demais. Um levantamento da ONG SOS Mata Atlântica mostra que 40% de 96 rios, córregos ou lagos das regiões Sul e Sudeste apresentam qualidade ruim ou péssima. Quanto mais próximo dos centros urbanos, pior sua situação.

“A ideia de abundância nos mimou”, diz Rômulo Sampaio, do centro de meio ambiente da escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas (FGV) no Rio. “Os políticos não investiram o suficiente porque pensaram que não seria necessário e ainda maltratamos os recursos que temos.”

Conflito de interesses
Isso obriga cidades a ir buscar água cada vez mais longe. Em algum momento, seus interesses entram em conflito. É o que ocorre entre Rio e São Paulo e entre outros Estados brasileiros.

Com a estiagem, o nível do sistema Cantareira chegou a 14%, o menor nível desde sua criação. A fragilidade do sistema que abastece metade da população da Grande São Paulo ficou evidente e fez o governo paulista querer por em prática o projeto do Paraíba do Sul, que estava em estudo havia seis anos.

“Solucionar a questão hídrica é o maior desafio do Direito ambiental hoje”, afirma Sampaio. “Temos boas regras para lidar com isso, criadas nos anos 1990. Agora elas serão testadas”.

De quem é a água?
A Política Nacional de Recursos Hídricos foi criada em 1997 e, desde então, é o principal norte da gestão da água no País. Nela, foram estabelecidos princípios importantes, como a prioridade do abastecimento humano e de animais e o incentivo ao uso eficiente da água. Mas a lei não diz quem tem mais direitos sobre determinada fonte hídrica.

O advogado Paulo Affonso Leme Machado, ex-consultor da ONU e um dos mais respeitados especialistas em Direito Ambiental no País, defende uma interpretação conjunta de três artigos da política que daria prioridade ao uso das águas de uma bacia aos habitantes dos municípios que existem nela.

“Isso não está expresso na lei, mas pode ser inferida porque ela estabelece a bacia hidrográfica como unidade mais importante do sistema hídrico, cria o controle do uso e afirma que tudo que é arrecadado com suas águas deve ser reinvestido, em primeiro lugar, na própria bacia”, diz Machado.

A partir dessa interpretação, defendida também por outros juristas consultados pela BBC Brasil, São Paulo não teria o direito de usar recursos de uma bacia fora de seus limites geográficos em prejuízo de outras cidades que estão nesta bacia. “Fazer isso é mais que injustiça, é anarquia”, diz Machado.

Teste nos tribunais
Esta interpretação ainda não foi testada nos tribunais, o que pode ocorrer em breve não só por causa da disputa entre Rio e São Paulo, mas também por outro conflito envolvendo a Grande São Paulo. A permissão de uso do Cantareira expirará em agosto e está sendo rediscutida. Além da região metropolitana da capital paulista, este sistema abastece 76 cidades no interior do Estado, que pedem mais água além do limite atual para a região, de 3 mil litros por segundo.

No entanto, o Cantareira já opera no limite estabelecido por regras ambientais. Para o interior ter mais água, seria preciso reduzir o volume de 24,8 mil litros por segundo fornecido à Grande São Paulo, que por sua vez também pleiteia um limite maior. Não será possível atender às duas regiões sem causar danos ao sistema.

As cidades do interior alegam que, na nova permissão de uso do Cantareira, é preciso haver uma distribuição mais equilibrada da água, princípio previsto em convenções internacionais sobre o tema. As cidades do interior afirmam que, se isso não for feito, sua economia não poderá mais crescer, porque novas indústrias que dependem de água não conseguirão licenças ambientais.

Estas cidades ainda questionam por que não foi cumprida a condição prevista na permissão de uso do Cantareira concedida há dez anos de fazer investimentos para reduzir a dependência da Grande São Paulo em relação a este sistema. “Pedimos explicações ao governo estadual para resolver isso na esfera administrativa, mas iremos à Justiça se as respostas não forem satisfatórias”, diz a promotora Alexandra Faccioli, do Ministério Público Estadual.

Novos conflitos à vista
O debate sobre o uso da água é mais relevante diante da previsão de que os conflitos hídricos serão mais comuns daqui em diante. Segundo o Pacific Institute (IP), um dos principais institutos de pesquisa sobre o tema do mundo, o número de disputas hídricas violentas no mundo quadruplicou na última década e o risco de novos conflitos só crescerá com a maior competição pelo recurso, o atual gerenciamento ruim das fontes hídricas e os impactos das mudanças climáticas.

Antônio Carlos Zuffo, especialista em planejamento hídrico da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), ainda alerta que a oscilação histórica do clima acentuará a falta d’água. O pesquisador explica que entre 1970 e 2012 houve chuvas até 30% acima da média histórica. “Agora estamos entrando num período de algumas décadas de chuvas abaixo da média”, afirma Zuffo. “A disputa por água se intensificará”.

Os órgãos federais se dizem preocupados com esse acirramento dos conflitos e trabalham para mediá-los antes que se agravem a ponto de a única solução ser a via judicial. No caso específico entre Rio e São Paulo, isso significa fazer com que os dois Estados cheguem a um entendimento baseado em estudos sobre o aproveitamento das águas do Paraíba do Sul.

“Nosso papel é estimular um debate técnico e evitar a politização dessa questão, para que esse tipo de problema não caia na Justiça”, afirma Rodrigo Flecha, superintendente de regulação da Agência Nacional de Águas (ANA).

Para o secretário nacional de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano do Ministério do Meio Ambiente, Ney Maranhão, os dois Estados precisam chegar a um consenso quanto a uma gestão compartilhada destes recursos hídricos. “Rio e São Paulo precisam sentar à mesa e elaborar um sistema que seja confortável para os dois lados”, afirma Maranhão. “Uma discussão dessa natureza não pode ser discuta emocionalmente”.

© Copyright BBC Brasil / Terra