Arquivo da categoria: Lua

Material na superfície de lua de Júpiter pode ser sal marinho

Experimento em laboratório da Nasa sugere composição, numa indicação de interação entre o oceano sob a superfície congelada de Europa e seu leito rochoso, considerada fundamental para a possibilidade dela abrigar vida

 Imagem de Europa feita pela sonda Galileu, da Nasa, no fim dos anos 1990: miteriosas linhas de material escuro que cobrem sua superfície seriam compostas por sal marinho Foto: Nasa/JPL-Caltech/SETI Institute
Imagem de Europa feita pela sonda Galileu, da Nasa, no fim dos anos 1990: miteriosas linhas de material escuro que cobrem sua superfície seriam compostas por sal marinho – Nasa/JPL-Caltech/SETI Institute

Experimentos realizados em laboratório por cientistas da Nasa sugerem que o material escuro visto sobre formações geológicas na superfície congelada de Europa, uma das luas de Júpiter, seria sal marinho vindo do oceano sob sua crosta de gelo. Caso se confirme, a presença deste material é uma importante indicação de que este oceano estaria interagindo com o leito rochoso sob ele, importante fator para determinar se Europa de fato pode abrigar algum tipo de vida extraterrestre, possibilidade que faz dela alvo de planos para ambiciosas e ousadas futuras missões espaciais, como uma que usaria até uma “lula robótica” para explorar este oceano.

– Temos muitas questões sobre Europa, mas a mais importante e mais difícil de responder é se há vida lá – destaca Curt Niebur, cientista do Programa para os Planetas Exteriores do Sistema Solar da Nasa. – Pesquisas como esta são importantes porque se focam em questões que podemos responder de forma definitiva, como se Europa é habitável. Uma vez que tenhamos estas respostas, podemos abordar a questão maior sobre se há vida no oceano sob a crosta de gelo de Europa.

Continuar lendo Material na superfície de lua de Júpiter pode ser sal marinho

Rússia enviará homens à Lua em 2029, anuncia agência

O russo Alexei Leonov foi o primeiro homem a flutuar no espaço, em 1965
O russo Alexei Leonov foi o primeiro homem a flutuar no espaço, em 1965

A Rússia planeja enviar astronautas do país à Lua em 2029, há 60 anos do desembarque de norte-americanos.

O anúncio foi feito nesta terça-feira (14) por Igor Komarov, diretor da agência espacial russa Roscosmos.

“Temos que começar a trabalhar agora para fazer isso”, declarou.

De acordo com ele, a missão humana, prevista para o biênio 2029-2030, será precedida por um voo não tripulado em 2028.

Durante a Guerra Fria, a Rússia e os Estados Unidos protagonizaram uma corrida espacial, que servia para demonstrar superioridade tecnológica e ideológica de cada país.

A corrida espacial começou com o lançamento do satélite artificial soviético Sputnik 1, em outubro de 1957.

Doze anos depois, a missão norte-americana Apollo 11 fez astronautas pousarem na Lua.

 

© Copyright Clube de Astronomia Órion / ANSA / UOL

Astrônomos aprofundam compreensão sobre origem da Lua

luaO corpo planetário que colidiu com a Terra e de cujo choque se formou a Lua pôde ter tido uma composição similar à de nosso planeta, segundo um artigo publicado nesta quarta-feira pela revista “Nature” e que poderia ajudar a entender a origem do satélite natural.
Durante os primeiros 150 milhões de anos após a formação de nosso Sistema Solar, um corpo estelar gigante, quase do tamanho de Marte, bateu e se uniu com a Terra, o que provocou a expulsão de uma gigantesca nuvem de rochas e outros destroços.

Grande parte das simulações numéricas assinalam que a maior parte do material que formou a Lua procederia da fusão dos resíduos contidos nessa nuvem gerada por esse impacto gigante.

No entanto, mostras de rocha da Lua recolhidas pela missão Apolo revelam que sua composição é similar à do manto terrestre, o que representava um sério desafio ao modelo de formação da Lua, levando em conta, além disso, que outros corpos estelares no sistema solar têm composições diferentes.

Os astrônomos, dirigidos por Alessandra Mastrobuno-Battisti do Instituto de Tecnologia de Israel, simularam colisões entre protoplanetas (pequenos corpos celestes considerados embriões planetários) e compararam a composição de cada planeta que sobreviveu ao impacto com a do corpo que se chocou contra ele.

O resultado dessas simulações foi que de 20% a 40% dos corpos que impactaram tinham uma composição similar aos planetas com os quais colidiram, enquanto os planetas que se formaram como resultado desses choques tendiam a ter composições diferentes.

O artigo assinala que combinando os resultados das simulações se pode deduzir que o corpo celeste que colidiu com a Terra devia ter uma composição similar à de nosso planeta.

Os autores do artigo sugerem que estes resultados podem explicar as similitudes de composição entre Terra e Lua e porque sua composição é diferente das de outros planetas do Sistema Solar.

A “Nature” publica, além disso, outros dois artigos que fornecem evidências em favor da teoria que após o impacto gigante que formou a Lua, tanto esta como a Terra receberam “uma última camada” de materiais.

As últimas medições dos isótopos de tungstênio da Terra e da Lua mostraram diferenças em sua composição que trazem informação sobre a história inicial do sistema formado por nosso planeta e de seu satélite, que podem afetar os modelos de formação da Lua.

A crosta e o manto terrestre tem um excesso de elementos afins ao ferro, como tungstênio, o que permitiu teorizar que estes elementos procedem em sua maioria de “uma última camada” de materiais que se acumularam depois do impacto gigante que formou a Lua.

Se esta teoria estiver certa, caberia esperar que a Terra e seu satélite teriam composições diferentes de tungstênio, mas até agora não se tinha podido detectar esse fato.

No entanto, os dois estudos publicados na “Nature” por pesquisadores das universidades de Lyon (França) e Münster (Alemanha), respectivamente, assinalam que no tungstênio da Lua há um excesso de isótopo 182W se for comparado com o que existe no atual manto terrestre.

Clube de Astronomia ÓrionClube de Astronomia Órion

© Copyright Agência EFE / UOL

Eclipse Lunar Total e Lua de Sangue de 04 de abril será transmitido ao vivo. Confira!

kahl-68145

Mais um belo evento astronômico vem vindo ai.
No próximo dia 04 de abril teremos o primeiro Eclipse Lunar Total (Lua de Sangue) de 2015. Esse evento pertence a Tétrade de eclipses, que são quatro eclipses lunares seguidos. Uma pena que não vai ocorrer aqui no Brasil, mas  você poderá assistir a transmissão ao vivo, aqui mesmo em nosso site, uma cortesia do Clube de Astronomia Órion e do Projeto Slooh.Este é o primeiro de dois eclipses lunares totais em 2015.

E pra tirar a dúvida e esclarecer tudo sobre esse grande evento, preparamos essa matéria especial. Confira!

Como acontece um eclipse lunar?

diferença de eclipse lunar para eclipse solar

Um eclipse lunar acontece quando a Terra se posiciona exatamente entre o Sol e a Lua, e com isso, o nosso planeta projeta uma sombra no nosso satélite natural. Essa sombra pode ser vista a partir de algumas regiões do nosso planeta, que é onde o eclipse é visível. Como a órbita da Lua é ligeiramente inclinada em relação a trajetória do Sol no céu, a Lua quase sempre passa abaixo ou acima da sombra projetada pela Terra, por isso os eclipses lunares não acontecem em todas as luas cheias.

O Eclipse Lunar do dia 04 de abril vai ser visível no Brasil? Qual horário?

O Eclipse Lunar Total de 4 de abril de 2015 será visível no oeste da América do Norte, no Pacífico, leste da Ásia, Austrália e Nova Zelândia. No Brasil, o Eclipse Lunar do dia 04 de abril será visível parcialmente. Já no extremo leste do Brasil (Alagoas, Bahia, Ceará, Pernambuco, entre outros), o eclipse não será visível.

visibilidade eclipse lunar 4 de abril de 2015
Áreas escuras não poderão observar o eclipse lunar de abril de 2015 Créditos: NASA

O eclipse lunar total do dia 4 de abril de 2015 terá início às 10h15 UTC e término às 13h44 UTC, e a totalidade do eclipse terá duração de 4 minutos e 43 segundos. O eclipse parcial terá início às 09h01 UTC (06h00 pelo horário de Brasília), e término às 14h58 UTC (11h58 pelo horário de Brasília).

Lua de Sangue do dia 04 de abril de 2015: o que isso significa?

Algumas vezes a Lua passa pela penumbra dessa sombra projetada pela Terra, o que chamamos de Eclipse Lunar Penumbral, evento quase imperceptível, pois a Lua ganha apenas um leve sombreado. Às vezes a Lua chega a passar um pouco pela sombra central, o que chamamos de Eclipse Lunar Parcial, porém, o mais raro de todos é o Eclipse Lunar Total, que também é chamado de Lua de Sangue. Na verdade, esse apelido “Lua de Sangue” não é correto, pois a Lua só ganha a coloração avermelhada em alguns casos imprevisíveis. Portanto, seria correto chamar um eclipse lunar total de Lua de Sangue apenas se ele já aconteceu, e realmente teve a famosa coloração avermelhada.

A Tétrade de Eclipses Lunares

Um Eclipse Lunar Total já é um evento raro por si só, mas o que torna esse eclipse do dia 04 de abril ainda mais especial é o fato dele fazer parte de uma tétrade de eclipses, que é quando quatro eclipses lunares totais acontecem seguidos (evento conhecido popularmente como quatro Luas de Sangue). A última vez que uma série de eclipses lunares totais aconteceu em sequência foi em 2003 e 2004, e apenas mais sete sequências como essa acontecerão no século atual.

O primeiro eclipse dessa tétrade aconteceu no dia 15 de abril de 2014, o segundo no dia 08 de outubro de 2014, o terceiro acontece agora, e o último será no dia 28 de setembro de 2015.

lunar-eclipse
Eclipse lunar

Os Eclipses Lunares Totais, ou Luas de Sangue (como são conhecidos), são vistos como eventos de má-sorte ou são correlacionados com catástrofes globais, etc… porém, trata-se apenas de um evento astronômico natural, cuja beleza é o único ingrediente para que ele seja visto com grandeza e esplendor.

Transmissão ao vivo

Como de costume, você poderá assistir a transmissão ao vivo do Eclipse Lunar Total no dia 04 de abril aqui em nosso site, uma cortesia do Clube de Astronomia Órion e do Projeto Slooh.

A transmissão ao vivo será feita a partir de vários locais em todo o mundo, com duração de aproximadamente quatro horas. A cobertura completa terá narração (em inglês) de Bob Berman, Will Gater, e Eric Edelman.

A transmissão ao vivo será exibida pelo observatório Slooh através desse link.

Em breve faremos outra matéria com links e players ao vivo de outros sites, se confirmar, teremos a transmissão ao vivo de um dos nossos parceiros brasileiro.
Conheça também o site oficial do Projeto Slooh

Fiquem atentos para mais informações a qualquer momento.

Clube de Astronomia ÓrionClube de Astronomia Órion

© Copyright Clube de Astronomia Órion / Prof. Henrique D. F. Souza

Eclipse Solar do dia 20 será transmitido ao vivo

eclipse-solar

Mais um belo evento astronômico vem vindo ai, e para a alegria de todos, será um evento interessante. Uma pena que não vai ocorrer aqui no Brasil, mas  você poderá assistir a transmissão ao vivo, aqui mesmo em nosso site, uma cortesia do Clube de Astronomia Órion e do Projeto Slooh.

O Eclipse Solar está calculado para acontecer no dia 20 de março e começa às 07h41 UTC, terminando às 11h50 UTC. Será bem visível um Eclipse Solar Total em Svalbard (Noruega) e nas Ilhas Faroé, e um E. parcial na Europa, Norte e Leste da Ásia e da África do norte e ocidental.

Modelo apresentado pela NASA mostra a trajetória da sombra da Lua.

O final do caminho da sombra da Lua sobre a Terra passa sobre o polo norte. Como o dia 20 de março marca o equinócio, o eclipse ocorrerá ao nascer do Sol no polo norte encerrando a noite de seis meses e marcando o final do inverno ártico.

8-1359c3abe9

A transmissão ao vivo será exibida pelo observatório Slooh através desse link. Em breve faremos outra matéria com links e players ao vivo de outros sites, se confirmar, teremos a transmissão ao vivo de um dos nossos parceiros brasileiro.
Conheça também o site oficial do Projeto Slooh

Clube de Astronomia ÓrionClube de Astronomia Órion

© Copyright Clube de Astronomia Órion / Prof. Henrique D. F. Souza

Raro alinhamento entre Sol, Lua e Terra acontece nesta sexta-feira

Eclipse solar poderá ser visto no Hemisfério Norte, Mas brasileiros poderão observar fenômeno pela internet

Na próxima sexta-feira o Hemisfério Norte poderá ver um raro alinhamento entre o Sol, a Lua e a Terra, o que vai causar um eclipse solar. De alguns locais, as pessoas poderão ver o Sol totalmente coberto pela Lua. O último fenômeno dessa importância aconteceu em 1999. O Brasil e demais países ao Sul do planeta não verão, a olho nu, o acontecimento, mas poderão acompanhar via transmissões ao vivo na internet.

Enquanto muitos amantes da astronomia já estão na expectativa, autoridades se preocupam. Como no Reino Unido, o evento acontecerá durante a hora do rush, especialistas pedem que os motoristas não se distraiam ao volante para evitar acidentes.

Quando mais ao Norte do planeta a pessoa estiver, mais o Sol ficará encoberto da sua perspectiva. No Reino Unido, por exemplo, o astro estará 84% “tapado” em Londres, 89% em Manchester, 93% em Edimburgo e 97% em Lerwick. Na capital inglesa, os moradores poderão ver o início do eclipse às 8h24 de lá (5h24 no horário de Brasília) e seu ápice às 9h31 (6h31 no horário de Brasília). A cobertura total do sol será vista apenas nas Ilhas Faroe, território que pertence à Dinamarca, e no arquipélago de Svalbard, na Noruega.

Um porta-voz da Highway Agency da Inglaterra, órgão do governo responsável pelas rodovias, pediu que os motoristas se mantenham em alerta: “ Segurança é a prioridade. Como sempre aconselhamos os motoristas a dirigir com cuidado, atentos ao clima e às condições das estradas, durante o eclipse pedimos que façam o mesmo.”

Os especialistas chamam atenção também para os perigos de se observar o eclipse a olho nu. A recomendação é que os espectadores vejam o fenômeno por meio de projeções. A organizações Royal Astronomical Society e a Society Popular Astronomy indicam o uso de métodos seguros, como óculos especiais e as chamadas Câmeras Pinhole, uma câmera fotográfica artesanal, improvisada com um espécie de caixa e que tem apenas um pequeno furo como “lente”.

 

Clube de Astronomia ÓrionClube de Astronomia Órion

© Copyright Clube de Astronomia Órion / O Globo

 

Por que a Lua está se afastando da Terra?

lua-linda

Você certamente não percebeu, mas a Lua está se afastando de nós.

O satélite da Terra está atualmente 18 vezes mais longe do que quando se formou, há 4,5 bilhões de anos.

Sem a Lua, nosso planeta seria irreconhecível. Os oceanos quase não teriam marés, os dias teriam outra duração e nós poderíamos não estar aqui, de acordo com alguns cientistas que acreditam que a Lua foi fundamental para o início da vida em nosso planeta.

Mas como esse afastamento nos afeta e com que rapidez ele está ocorrendo?

Distância exata

A Lua, como explica à BBC a pesquisadora Margaret Ebunoluwa Aderin-Pocock, do Departamento de Ciência e Tecnologia do University College de Londres, está se afastando da Terra a uma velocidade de 3,78 centímetros por ano.

E graças ao pouso na lua da missão Apollo, da Nasa, entre 1969 e 1972, podemos medir essa distância com incrível precisão.

Em três das missões, os astronautas deixaram no satélite unidades retrorefletoras cheias de pequenos espelhos.

Desde então, os astrônomos têm disparado raios laser em direção a essas unidades refletoras, para manter um registro exato de o quanto a Lua está se afastando.

“Enviamos cerca de 100 quatrilhões de fótons com cada pulso de laser. Se tivermos sorte, para cada pulso que enviamos, volta (à Terra) um fóton”, disse à BBC Russet McMilllan, do observatório astronômico científico Apache Point Observatory (APO, por sua sigla em Inglês), localizado nas montanhas de Sacramento, no Novo México (EUA).

Apesar de à primeira vista um fóton parecer pouco, ele é suficiente para medir a distância entre a Lua e da Terra até o seu último milímetro.

No momento em que a BBC conversou com McMillan, a distância exata era 393.499 km, 257 metros e 798 mm.

Por quê?

Esse afastamento se deve à fricção entre a superfície da Terra e a enorme massa de água que está sobre ela e faz com que, ao longo do tempo, a Terra gire um pouco mais lentamente sobre o seu eixo.

Para cada ação há uma reação igual e oposta. Esta é a terceira lei de Newton.

À medida que o movimento da Terra diminui, o da Lua se acelera

A Terra e a Lua são unidas por uma espécie de abraço gravitacional. Então, à medida que o movimento da Terra diminui, o da Lua acelera.

E, quando algo que está em órbita acelera, essa aceleração o empurra para fora.

Efeito

A distância da Lua afeta nosso planeta de várias formas. Para começar, à medida em que a Terra gira mais devagar, os dias ficam mais longos.

Eles já estão mais longos, em dois milésimos de segundo a cada século.

Além disso, os invernos serão muito mais frios e os verões, muito mais quentes.

Isso pode ter um efeito devastador sobre a Terra, ante a dificuldade dos animais em se adaptar a extremos climáticos.

E se a força gravitacional da Lua torna-se mais fraca, as marés na Terra não serão tão acentuadas.

No entanto, mesmo sem a Lua, existiriam marés – ainda que suaves – pelo efeito do Sol.

No entanto, nenhuma dessas consequências deve preocupar: as mudanças são sutis demais para que possamos testemunhá-los.

A Lua nunca vai escapar da Terra. Mesmo que a Terra continue diminuindo sua velocidade, irá girar na mesma velocidade em que orbita a Lua. Nesse momento, a Terra e a Lua vão chegar a um equilíbrio e a Lua deixaria de se afastar.

Mas, muito antes que isso aconteça, o Sol vai se expandir até virar um gigante vermelho e engolir, no processo, a Terra e seu satélite.

Dito isso, não há necessidade de se preocupar. Ainda faltam cerca de 5 bilhões de anos para isso acontecer.

Clube de Astronomia ÓrionClube de Astronomia Órion

© BBC Brasil