Arquivo da categoria: Física

Maquetes Usinas de Energia – Modelos e dicas de como fazer

ffbb434fc6a4410c0ea087a8d82a7a77
 Para ajudar  alunos  a construir  maquetes de Usinas de Energia separamos algumas dicas muito especiais que possam auxiliar as equipes na construção das maquetes.escolares.
Um dos trabalhos escolares que toda criança ou adolescente faz na época dos estudos é a maquete.

Raro alinhamento entre Sol, Lua e Terra acontece nesta sexta-feira

Eclipse solar poderá ser visto no Hemisfério Norte, Mas brasileiros poderão observar fenômeno pela internet

Na próxima sexta-feira o Hemisfério Norte poderá ver um raro alinhamento entre o Sol, a Lua e a Terra, o que vai causar um eclipse solar. De alguns locais, as pessoas poderão ver o Sol totalmente coberto pela Lua. O último fenômeno dessa importância aconteceu em 1999. O Brasil e demais países ao Sul do planeta não verão, a olho nu, o acontecimento, mas poderão acompanhar via transmissões ao vivo na internet.

Enquanto muitos amantes da astronomia já estão na expectativa, autoridades se preocupam. Como no Reino Unido, o evento acontecerá durante a hora do rush, especialistas pedem que os motoristas não se distraiam ao volante para evitar acidentes.

Quando mais ao Norte do planeta a pessoa estiver, mais o Sol ficará encoberto da sua perspectiva. No Reino Unido, por exemplo, o astro estará 84% “tapado” em Londres, 89% em Manchester, 93% em Edimburgo e 97% em Lerwick. Na capital inglesa, os moradores poderão ver o início do eclipse às 8h24 de lá (5h24 no horário de Brasília) e seu ápice às 9h31 (6h31 no horário de Brasília). A cobertura total do sol será vista apenas nas Ilhas Faroe, território que pertence à Dinamarca, e no arquipélago de Svalbard, na Noruega.

Um porta-voz da Highway Agency da Inglaterra, órgão do governo responsável pelas rodovias, pediu que os motoristas se mantenham em alerta: “ Segurança é a prioridade. Como sempre aconselhamos os motoristas a dirigir com cuidado, atentos ao clima e às condições das estradas, durante o eclipse pedimos que façam o mesmo.”

Os especialistas chamam atenção também para os perigos de se observar o eclipse a olho nu. A recomendação é que os espectadores vejam o fenômeno por meio de projeções. A organizações Royal Astronomical Society e a Society Popular Astronomy indicam o uso de métodos seguros, como óculos especiais e as chamadas Câmeras Pinhole, uma câmera fotográfica artesanal, improvisada com um espécie de caixa e que tem apenas um pequeno furo como “lente”.

 

Clube de Astronomia ÓrionClube de Astronomia Órion

© Copyright Clube de Astronomia Órion / O Globo

 

Por que a Lua está se afastando da Terra?

lua-linda

Você certamente não percebeu, mas a Lua está se afastando de nós.

O satélite da Terra está atualmente 18 vezes mais longe do que quando se formou, há 4,5 bilhões de anos.

Sem a Lua, nosso planeta seria irreconhecível. Os oceanos quase não teriam marés, os dias teriam outra duração e nós poderíamos não estar aqui, de acordo com alguns cientistas que acreditam que a Lua foi fundamental para o início da vida em nosso planeta.

Mas como esse afastamento nos afeta e com que rapidez ele está ocorrendo?

Distância exata

A Lua, como explica à BBC a pesquisadora Margaret Ebunoluwa Aderin-Pocock, do Departamento de Ciência e Tecnologia do University College de Londres, está se afastando da Terra a uma velocidade de 3,78 centímetros por ano.

E graças ao pouso na lua da missão Apollo, da Nasa, entre 1969 e 1972, podemos medir essa distância com incrível precisão.

Em três das missões, os astronautas deixaram no satélite unidades retrorefletoras cheias de pequenos espelhos.

Desde então, os astrônomos têm disparado raios laser em direção a essas unidades refletoras, para manter um registro exato de o quanto a Lua está se afastando.

“Enviamos cerca de 100 quatrilhões de fótons com cada pulso de laser. Se tivermos sorte, para cada pulso que enviamos, volta (à Terra) um fóton”, disse à BBC Russet McMilllan, do observatório astronômico científico Apache Point Observatory (APO, por sua sigla em Inglês), localizado nas montanhas de Sacramento, no Novo México (EUA).

Apesar de à primeira vista um fóton parecer pouco, ele é suficiente para medir a distância entre a Lua e da Terra até o seu último milímetro.

No momento em que a BBC conversou com McMillan, a distância exata era 393.499 km, 257 metros e 798 mm.

Por quê?

Esse afastamento se deve à fricção entre a superfície da Terra e a enorme massa de água que está sobre ela e faz com que, ao longo do tempo, a Terra gire um pouco mais lentamente sobre o seu eixo.

Para cada ação há uma reação igual e oposta. Esta é a terceira lei de Newton.

À medida que o movimento da Terra diminui, o da Lua se acelera

A Terra e a Lua são unidas por uma espécie de abraço gravitacional. Então, à medida que o movimento da Terra diminui, o da Lua acelera.

E, quando algo que está em órbita acelera, essa aceleração o empurra para fora.

Efeito

A distância da Lua afeta nosso planeta de várias formas. Para começar, à medida em que a Terra gira mais devagar, os dias ficam mais longos.

Eles já estão mais longos, em dois milésimos de segundo a cada século.

Além disso, os invernos serão muito mais frios e os verões, muito mais quentes.

Isso pode ter um efeito devastador sobre a Terra, ante a dificuldade dos animais em se adaptar a extremos climáticos.

E se a força gravitacional da Lua torna-se mais fraca, as marés na Terra não serão tão acentuadas.

No entanto, mesmo sem a Lua, existiriam marés – ainda que suaves – pelo efeito do Sol.

No entanto, nenhuma dessas consequências deve preocupar: as mudanças são sutis demais para que possamos testemunhá-los.

A Lua nunca vai escapar da Terra. Mesmo que a Terra continue diminuindo sua velocidade, irá girar na mesma velocidade em que orbita a Lua. Nesse momento, a Terra e a Lua vão chegar a um equilíbrio e a Lua deixaria de se afastar.

Mas, muito antes que isso aconteça, o Sol vai se expandir até virar um gigante vermelho e engolir, no processo, a Terra e seu satélite.

Dito isso, não há necessidade de se preocupar. Ainda faltam cerca de 5 bilhões de anos para isso acontecer.

Clube de Astronomia ÓrionClube de Astronomia Órion

© BBC Brasil