Arquivo da categoria: Planetas

NASA revela descoberta de 7 planetas extrassolares que podem abrigar vida

descoberta de 7 planetas que podem abrigar água e vida

Descoberta fantástica mostra que planetas na zona habitável de suas estrelas não são algo incomum!

O telescópio espacial Spitzer da NASA revelou o primeiro sistema conhecido de sete planetas do tamanho da Terra em torno de uma única estrela. Três desses planetas estão firmemente localizados na zona habitável, a área em torno da estrela mãe onde um planeta rochoso é capaz de abrigar água no estado líquido.

A descoberta estabelece um novo recorde para o maior número de planetas de zonas habitáveis encontrados em torno de uma única estrela fora do nosso Sistema Solar. Todos esses 7 planetas poderiam ter água líquida (a chave para a vida como a conhecemos) sob as condições atmosféricas corretas, mas as chances são maiores com os três exoplanetas na zona habitável.

Ilustração artística da estrela TRAPPIST-1 e seus 7 planetasIlustração artística da estrela anã ultrafria TRAPPIST-1 e seus 7 planetas.Créditos: NASA / JPL-Caltech

Material na superfície de lua de Júpiter pode ser sal marinho

Experimento em laboratório da Nasa sugere composição, numa indicação de interação entre o oceano sob a superfície congelada de Europa e seu leito rochoso, considerada fundamental para a possibilidade dela abrigar vida

 Imagem de Europa feita pela sonda Galileu, da Nasa, no fim dos anos 1990: miteriosas linhas de material escuro que cobrem sua superfície seriam compostas por sal marinho Foto: Nasa/JPL-Caltech/SETI Institute
Imagem de Europa feita pela sonda Galileu, da Nasa, no fim dos anos 1990: miteriosas linhas de material escuro que cobrem sua superfície seriam compostas por sal marinho – Nasa/JPL-Caltech/SETI Institute

Experimentos realizados em laboratório por cientistas da Nasa sugerem que o material escuro visto sobre formações geológicas na superfície congelada de Europa, uma das luas de Júpiter, seria sal marinho vindo do oceano sob sua crosta de gelo. Caso se confirme, a presença deste material é uma importante indicação de que este oceano estaria interagindo com o leito rochoso sob ele, importante fator para determinar se Europa de fato pode abrigar algum tipo de vida extraterrestre, possibilidade que faz dela alvo de planos para ambiciosas e ousadas futuras missões espaciais, como uma que usaria até uma “lula robótica” para explorar este oceano.

– Temos muitas questões sobre Europa, mas a mais importante e mais difícil de responder é se há vida lá – destaca Curt Niebur, cientista do Programa para os Planetas Exteriores do Sistema Solar da Nasa. – Pesquisas como esta são importantes porque se focam em questões que podemos responder de forma definitiva, como se Europa é habitável. Uma vez que tenhamos estas respostas, podemos abordar a questão maior sobre se há vida no oceano sob a crosta de gelo de Europa.

Continuar lendo Material na superfície de lua de Júpiter pode ser sal marinho

Imagens inéditas revelam que pôr do Sol em Marte é azul

Registros no planeta vermelho foram feitos pelo robô Curiosity, com o auxílio da câmera fotográfica colorida Mastcam

 

O fenômeno pode ocorrer devido a efeito causado por partículas de poeira presentes na atmosfera marciana

O robô Curiosity, da Agência Espacial Americana (Nasa), gravou pela primeira vez com uma câmera colorida uma sequência de quatro imagens do pôr do Sol em Marte, no último 15 de abril, mas divulgada somente neste mês. Bem diferente do que ocorre com a Terra, o planeta vermelho se tinge de azul durante o desaparecimento do astro.

Estudiosos especulam que o fenômeno ocorre devido a efeito causado por partículas de poeira presentes na atmosfera marciana, que permitem a penetração mais eficiente da luz azul do que de outras cores com ondas mais compridas.

O veículo localizado dentro da cratera Gale fez as imagens no período de 6 minutos e 51 segundos, com o auxílio da câmera fotográfica Mastcam, quase mil dias depois da chegada do Curiosity ao planeta. Como o equipamento é apenas um pouco menos sensível à luz azul que o olho humano, as cores foram calibradas para compensar.

 

© Copyright Clube de Astronomia Órion / UOL

Missão da Nasa fará espaçonave explodir na superfície de Mercúrio

 

Space-Mercury-Messenger-G9H269RIR.1
Ilustração da Universidade Johns Hopkins mostra sonda na órbita do planeta Mercúrio

A sonda espacial Messenger, há quatro anos na órbita de Mercúrio, irá chegar ao fim nesta quinta (30) de um jeito pouco comum.

A espaçonave irá se chocar com o próprio planeta. O impacto do veículo de 500 quilos a uma velocidade de 14 mil km/h deve criar uma cratera com 15 metros de comprimento na superfície de Mercúrio.

Esse “voo suicida” será o último ato da missão, que conseguiu enviar para a Terra informações inéditas sobre o menor planeta do Sistema Solar, apenas um pouco maior do que a Lua.

Continuar lendo Missão da Nasa fará espaçonave explodir na superfície de Mercúrio

Sonda da Nasa se prepara para mergulho da morte em Mercúrio

Imagem artística mostra a superfície de mercúrio. A sonda MESSENGER da Nasa circulou o planeta durante os últimos quatro anos e vai dar um "mergulho para a morte" no final de abril, quando ficará sem combustível
Imagem artística mostra a superfície de mercúrio. A sonda MESSENGER da Nasa circulou o planeta durante os últimos quatro anos e vai dar um “mergulho para a morte” no final de abril, quando ficará sem combustível

Uma sonda da Nasa que circulou Mercúrio durante os últimos quatro anos vai dar um mergulho para a morte na superfície do planeta no final de abril, quando ficará sem combustível. A sonda MESSENGER (sigla em inglês para Superfície, Espaço, Ambiente, Geoquímica e Alinhamento de Mercúrio) vai terminar sua corrida, como planejado, por volta de 30 de abril, disse a agência espacial norte-americana.Sua missão foi inicialmente apenas para durar um ano, mas como estava operando bem e retornando dados interessantes e descobertas, os cientistas prolongaram sua vida o máximo que podiam.

A principal descoberta da MESSENGER ocorreu em 2012: uma espessa camada de gelo nas regiões polares de Mercúrio, fornecendo “apoio convincente para a hipótese de que o planeta abriga abundante água congelada e outros materiais voláteis em suas crateras polares permanentemente sombreadas”, segundo a Nasa.

“Pela primeira vez os cientistas começaram a ver claramente um capítulo na história de como os planetas internos, incluindo a Terra, adquiriram água e alguns dos blocos químicos de construção da vida”, explicou a agência em comunicado.

Os cientistas acreditam que o planeta mais próximo do Sol provavelmente obtiveram sua água quando cometas e asteroides voláteis ricos fizeram impacto, em algum momento da História.

A MESSENGER foi lançada em 2004 e viajou por mais de seis anos antes de finalmente começar a orbitar Mercúrio em 18 de março de 2011.

Uma vez que a sonda não tripulada é colocada para fora do propulsor, ela não será mais capaz de lutar contra o impulso para baixo da gravidade do Sol e vai cair, atingindo o planeta a mais de 234,6 km/h no lado do planeta que não dá para a Terra.

Não são esperadas imagens do impacto.

“Pela primeira vez na história temos um conhecimento real sobre o planeta Mercúrio, que nos mostra um mundo fascinante como parte de nosso Sistema Solar diversificado”, disse John Grunsfeld, administrador associado da diretoria de Missões Científicas da Nasa.

Os cientistas vão continuar a analisar os dados obtidos a partir da MESSENGER durante os próximos anos, disse ele.

 

© Copyright Clube de Astronomia Órion /Nasa/JHU APL/Carnegie Institution of Washington / AFP / UOL

Sonda da Nasa se aproxima do inexplorado Plutão

A Nasa (Agência Espacial Americana) publicou nesta quarta-feira (15) a primeira imagem em cores de Plutão e sua lua maior, Caronte, obtida pela sonda New Horizons, que deve chegar ao planeta anão no mês de julho
A Nasa (Agência Espacial Americana) publicou nesta quarta-feira (15) a primeira imagem em cores de Plutão e sua lua maior, Caronte, obtida pela sonda New Horizons, que deve chegar ao planeta anão no mês de julho.

A primeira espaçonave a visitar o distante Plutão, planeta anão que circula nas gélidas periferias do Sistema Solar, ainda está a três meses de distância de uma aproximação, mas já consegue avistar seu destino, de acordo com imagens recém-divulgadas.

A sonda New Horizons decolou da Flórida em janeiro de 2006 para uma jornada de 5 bilhões de quilômetros até a região do Cinturão de Kuiper, localizada além de Netuno.

À época, Plutão ainda era conhecido como o nono planeta do Sistema Solar, mas foi desde então rebaixado ao status de planeta anão, após a descoberta de corpos congelados similares em órbitas elípticas e afastadas ao redor do sol.

A New Horizons vai passar a cerca de 12.500 quilômetros da superfície de Plutão em 14 de julho.

Com um diâmetro de apenas 2.302 quilômetros, aproximadamente dois terços do tamanho da Lua da Terra, Plutão ainda se parece com um pequeno ponto luminoso nas imagens divulgadas pela Nasa na terça-feira.

Até o momento, as fotos possuem mais significado apenas para engenheiros e cientistas. Elas servem como um mapa do caminho para as equipes de controle que ajustam a aproximação da New Horizons.

A espaçonave não tem combustível suficiente para frear o bastante e se colocar em órbita ao redor de Plutão. Em vez disso, assim como nas viagens exploratórias na espaçonave Voyager no fim dos anos 1970 e 1980, a New Horizons vai realizar suas observação apenas de passagem.

“Nossa equipe trabalhou duro para chegar a esse ponto, e agora sabemos que temos apenas uma chance de fazer isso funcionar”, disse a gerente de operações da missão New Horizons e cientista do Laboratório de Física Aplicada da Universidade John Hopkins, Alice Bowman, em comunicado.

Desde que Mike Brown, pesquisador do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech, na sigla em inglês), nos Estados Unidos, anunciou ter descoberto um corpo rochoso maior e mais distante do que Plutão, os astrônomos passaram a suspeitar do status do nono planeta do Sistema Solar. Mesmo ganhando do diâmetro de Plutão por apenas 20 quilômetros, Eris era menor do que a Lua para ser considerado um planeta, além de estar muito próximo do cinturão de Kuiper. Foi, então, que a União Internacional Astronômica (IAU, na sigla em inglês) acabou com o problema ao criar a nova categoria “planeta-anão” para descrever corpos celestes bastante massivos (o suficiente para que a própria gravidade possa “moldá-lo” em uma forma quase esférica), mas que são menores que Mercúrio e com muitos objetos próximos de sua órbita. Acima, concepção artística compara os tamanhos da Terra e da Lua com os primeiros planetas-anões descritos pela IAU: Ceres, Eris e Plutão Nasa.

 

© Copyright Clube de Astronomia Órion / Reuters / UOL
 

Nasa publica a primeira imagem em cores de Plutão

 A Nasa (Agência Espacial Americana) publicou nesta quarta-feira (15) a primeira imagem em cores de Plutão e sua lua maior, Caronte, obtida pela sonda New Horizons, que deve chegar ao planeta anão no mês de julho
A Nasa (Agência Espacial Americana) publicou nesta quarta-feira (15) a primeira imagem em cores de Plutão e sua lua maior, Caronte, obtida pela sonda New Horizons, que deve chegar ao planeta anão no mês de julho

A Agência Espacial norte-americana (Nasa) publicou nesta quarta-feira (15) a primeira imagem em cores de Plutão e sua lua maior, Caronte, obtida pela sonda New Horizons, que deve chegar ao planeta anão no próximo mês de julho. A imagem, feita no dia 9 de abril de uma distância de cerca de 115 milhões de quilômetros, oferece uma “promissora visão deste sistema”, disse o diretor de Ciência Planetária da Nasa, Jim Green.

A fotografia revela que Caronte é mais escura que Plutão, um contraste que pode dever-se a sua composição diferente, ou também pode ter sido causado por uma atmosfera prévia e não visível de Caronte, explicou Green.

As perguntas que esta primeira imagem deixou no dar devem começar a ser resolvidas em poucos meses, quando a sonda New Horizons chegar a Plutão.

A sonda, de 480 quilos, foi lançada do Cabo Canaveral, na Flórida, no dia 19 de janeiro de 2006 em um foguete Atlas V, e deverá chegar às proximidades do planeta anão, o mais afastado do Sol, em 14 de julho.

 

© Copyright Clube de Astronomia Órion / EFE / UOL

Ampliando sua visão do Mundo.