Arquivo da categoria: Tecnologia

Sauditas e japoneses planejam maior projeto de energia solar do mundo

A Arábia Saudita e a japonesa SoftBank Group assinaram um memorando de entendimento para construir um projeto de desenvolvimento de energia solar de US$ 200 bilhões que é exponencialmente maior do que qualquer outro projeto.

O fundador da SoftBank, Masayoshi Son, conhecido por financiar empreendimentos ambiciosos, apresentou o projeto na terça-feira (27) em Nova York em uma cerimônia com o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed Bin Salman.

O poderoso herdeiro do trono do maior exportador de petróleo bruto do mundo pretende diversificar a economia do país e reduzir a dependência do petróleo.

O acordo é o mais novo de uma série de anúncios surpreendentes da Arábia Saudita prometendo expandir o acesso do país a energias renováveis. Durante anos, o reino tentou criar uma base de energia limpa, mas só em 2017 os ministros avançaram com os primeiros projetos, buscando ofertas para uma usina de 300 megawatts em outubro.

Com 200 gigawatts, o projeto da SoftBank para o deserto saudita seria cerca de cem vezes maior do que o segundo maior projeto proposto até agora e forneceria um terço a mais do que a indústria fotovoltaica global forneceu no ano passado, segundo dados compilados pela Bloomberg New Energy Finance.

“É um grande passo na história da humanidade”, disse o príncipe Mohammed. “É algo audaz, arriscado e esperamos ter sucesso.”

Continuar lendo Sauditas e japoneses planejam maior projeto de energia solar do mundo

Califórnia passa a exigir energia solar em novas residências

painel-de-energia-solar-da-renova-green-1471386376072_615x300
Painel Solar instalado em residência (Reprodução)

 

A Califórnia acaba de emitir o sinal mais claro de que a geração de energia em telhados está deixando de ser um nicho do mercado e se tornando a norma.

Na quarta-feira (9), o estado se tornou o primeiro dos EUA a exigir painéis solares em quase todas as novas residências. A maioria das novas unidades construídas após 1º de janeiro de 2020 será obrigada a incluir sistemas solares como parte dos padrões adotados pela Comissão de Energia da Califórnia.

Embora seja um impulso para a indústria solar, os críticos alertaram que a medida também elevará em quase US$ 10 mil o custo de comprar uma casa. As ações da Solar subiram com a decisão. As ações das construtoras residenciais caíram.

A medida ressalta como os painéis solares de telhado, que antigamente eram um luxo reservado às casas de proprietários ricos com tendências ecológicas, estão se tornando uma fonte de energia convencional, com a Califórnia –o maior mercado de energia solar do país– abrindo o caminho.

Continuar lendo Califórnia passa a exigir energia solar em novas residências

Hackathon 2017: Inscreva-se!

web_quadrado-para_fundo_claro

Programadores e geeks novamente ocuparão a casa mais vigiada do Brasil após o fim do BBB para participar de uma das maiores maratonas de tecnologia do país. O vencedor ganhará uma viagem para o Vale do Silício, nos Estados Unidos!

O que é Hackathon

Hackathon significa maratona de programação. O termo resulta de uma combinação das palavras inglesas “hack” (programar de forma excepcional) e “marathon” (maratona).

O Hackathon é um evento que reúne programadores, desig

ners e outros profissionais ligados ao desenvolvimento de software para uma maratona de programação, cujo objetivo é desenvolver um software que atenda a um fim específico ou projetos livres que sejam inovadores e utilizáveis. A maratona pode durar entre um dia ou uma semana.

Nesses eventos, os participantes têm a oportunidade de concorrer a prêmios, conhecer outros profissionais da área, fazer Networking, participar de um projeto colaborativo em um ambiente específico de programação.

O que faz um evento como esse ser um sucesso é o desafio e lembrando que não pode faltar a diversão. As pessoas disponibilizam seu tempo para resolver um problema e é importante que se sintam bem a vontade, ou seja, participem da maratona com entusiasmo do inicio ao fim.

Nem todos vencem as maratonas, mas todos deixam legados de grande valor para a sociedade.

A Maratona tem como foco principal, conseguir solucionar o problema proposto até o final do evento, disponibilizando a empresa patrocinadora soluções inteligentes, eficazes e inovadoras.

O Hackathon 2017

Continuar lendo Hackathon 2017: Inscreva-se!

Sonda Rosetta descobre que cometa não tem campo magnético

A Agência Espacial Europeia divulgou imagens da superfície do cometa 67P feitas pela sonda Rosetta entre 31 de janeiro e 25 de março deste ano, a distância de 30 a 100 km do cometa
A Agência Espacial Europeia divulgou imagens da superfície do cometa 67P feitas pela sonda Rosetta entre 31 de janeiro e 25 de março deste ano, a distância de 30 a 100 km do cometa

A sonda europeia Rosetta revelou que o cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko não tem um núcleo magnético, o que contradiz o que se acreditava até então sobre a formação e a evolução dos cometas. As medições do módulo Philae, que se desprendeu da Rosetta e pousou no cometa, sugerem que as forças magnéticas “não desempenham um papel preponderante na formação e evolução de um cometa”, nas palavras do cientista do projeto Rosetta Hans-Ulrich Auster. Ele apresentou esses dados em uma conferência de imprensa nesta terça-feira (14).

A comunidade científica pensava até agora que processos como a magnetização eram parte da formação e evolução dos cometas, mas, segundo Auster, em missões espaciais anteriores, os dados não eram totalmente confiáveis devido à interação entre os ventos solares e os cometas. O estudo das propriedades do cometa podem fornecer pistas sobre o papel dos campos magnéticos na formação dos planetas e cometas do Sistema Solar, há 4,6 bilhões de anos.

Lançada em março de 2004, a sonda Rosetta orbita o 67/P desde o ano passado. Após dez anos de viagem, o módulo Philae abandonou a sonda Rosetta da Agência Espacial Europeia (ESA) e pousou sobre o cometa em 12 de novembro de 2014. O cometa está situado a 500 milhões de quilômetros da Terra.

 

© Copyright Clube de Astronomia Órion / UOL

Câmara aprova adesão do Brasil a megatelescópio

 Concepção artística mostra como deve ser o E-ELT no pico do Cerro Armazones, no Chile

Concepção artística mostra como deve ser o E-ELT no pico do Cerro Armazones, no Chile

A Câmara dos Deputados aprovou na quinta-feira (19) a adesão do Brasil ao maior consórcio de pesquisas astronômicas  do mundo, o Observatório Europeu do Sul (ESO). A aprovação veio com mais de quatro anos de atraso. O acordo de adesão do país ao grupo foi assinado em dezembro de 2010 pelo então ministro brasileiro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende. O projeto segue agora para votação no Senado.

A construção do E-ELT no deserto chileno do Atacama custará cerca de 1 bilhão de euros e as primeiras observações são esperadas para daqui a dez anos. O telescópio, com 39 metros de diâmetro, ficará na cúpula do Monte Armazones, a 20 km do Monte Paranal, onde já está instalado o Telescópio Muito Grande (VLT), da ESO.

O novo aparelho “permitirá a caracterização inicial de exoplanetas com massa similar à da Terra, o estudo de populações estelares em galáxias próximas e observações ultra-sensíveis do universo profundo”, indicou a ESO, que tem sede em Garching, perto de Munique (Alemanha).

Clube de Astronomia ÓrionClube de Astronomia Órion

© Copyright Clube de Astronomia Órion / UOL

Sistema Galileu: 6º satélite recolocado em órbita

FOTO: J.Huart/ESA

 

O satélite Sat-6 do sistema europeu de navegação Galileu, um dos dois satélites colocados em agosto passado numa órbita ruim, foi reposicionado numa trajetória melhor, anunciou a Agência Espacial Europeia (ESA), nesta sexta-feira.

Agora, os pesquisadores vão realizar testes até o final do mês para avaliar as performances dos instrumentos de navegação, e verificar se é possível se integrar ao sistema, garante a ESA em comunicado.

O programa Galileu foi desenvolvido para permitir ter uma alternativa ao sistema de navegação por satélite norte-americano GPS.

Lançado em 22 de agosto no foguete lançador russo Soyuz, a partir da Guiana Francesa, os dois satélites Sat-5 e Sat-6 não conseguiram chegar na órbita circular prevista para 23.522 km de altitude. Ao contrário, ficaram em uma órbita elíptica 6.000 km mais abaixo que o previsto e o erro não pôde ser retificado, tornando o sistema Galileu inoperante.

Desde então, a ESA iniciou uma missão de “resgate” e conseguiu, em novembro, reposicionar o Sat-5 numa órbita degradada, “um pouco mais adaptada às operações de navegação”.

Para o Sat-6, as operações de salvamento começaram em meados de janeiro e foram concluídas após seis semanas – ou 14 manobras depois.

A posição atual o coloca numa posição espelhada com relação ao Sat-5, com os dois satélites ficando simetricamente de um lado do planeta.

Quando os testes forem concluídos, caberá à Comunidade Europeia decidir se serão integrados na constelação do satélite, ressaltou a ESA.

Quatro primeiros satélites do sistema Galileu já haviam sido lançados anteriormente.

O sistema Galileu contará, ao todo, com 30 satélites. Vinte serão lançados de hoje até 2017, e seis outros serão acrescentados até 2020.

Os dois próximos satélites serão lançados em 27 de março.

 

Clube de Astronomia ÓrionClube de Astronomia Órion

© AFP / UOL

Ceará receberá Polo de Inovação para investimento tecnológico

Um dos cinco polos de inovação a serem implantados no País funcionará no Instituto Federal do Ceará (IFCE)

Concurso-IFCE-2012-inscricoes-vagas1

O Ceará receberá um dos cinco novos polos de inovação a serem criados no País, para execução de planos de desenvolvimento tecnológico.

O equipamento será implantado pelo Instituto Federal do Ceará (IFCE), na área de “Sistemas Embarcados e Mobilidade Digital”, e funcionará como campus, com estrutura própria.

O anúncio foi feito pelo reitor Virgílio Araripe nesta quarta-feira, 4, após aprovação da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii), gestora nacional dos polos. Com a implantação do equipamento, o Instituto poderá realizar parceria com empresas do setor industrial.

Os institutos federais credenciados terão compromisso com a Embraprii por períodos de três ou seis anos, dependendo da modalidade de operação pretendida, para o desenvolvimento de projetos de inovação.

Para o reitor Virgílio Araripe, o polo deve contribuir para o desenvolvimento do Estado. “Essa conquista também é um reconhecimento à alta qualificação dos nossos pesquisadores. Certamente, o polo de inovação será um equipamento que vai contribuir bastante para o desenvolvimento do Estado do Ceará”.

De acordo com informações repassadas pelo Instituto, o objetivo com a nova implantação é elevar o investimento percentual em inovação e o nível de produtividade de indústrias clientes, além de contribuir para empreendedorismo entre os alunos.

 

© Copyright O Povo