Obama retira Cuba da lista de países que apoiam o terrorismo

A Casa Branca disse que o presidente dos EUA, Barack Obama, decidiu, nesta terça-feira (14), retirar Cuba da lista de países que apoiam o terrorismo, em mais um passo para normalizar as relações entre as nações.

O governo americano informou que Obama apresentou relatórios e certificações exigidos pelo Congresso indicando sua intenção de retirar Cuba da lista.

Obama tomou a decisão final na sequência de uma avaliação do Departamento de Estado. Em mensagem ao Congresso, Obama disse que o governo de Cuba “não forneceu qualquer apoio ao terrorismo internacional” nos últimos seis meses. Ele também disse aos deputados que Cuba “deu garantias de que não apoiará atos de terrorismo internacional no futuro”.

Funcionários do Departamento de Estado disseram ter feito uma revisão completa do requerimento para garantir que sua decisão resista a qualquer questionamento em um Congresso controlado pelos republicanos.

Cuba não estará efetivamente fora da lista após um período de avaliação de 45 dias, durante o qual uma resolução conjunta para bloquear a remoção da lista deve ser considerada na Câmara e no Senado. A ideia de remover a nação cubana da lista foi recebida com considerável resistência por parte dos republicanos, incluindo muitos congressistas cubano-americanos.

Os EUA há muito tempo já pararam de acusar o país liderado por Raúl Castro de apoiar ativamente o terrorismo.

O anúncio de terça-feira vem dias depois de Obama e o presidente cubano, Raúl Castro, terem se reunido, às margens da Cúpula das Américas ocorrida no Panamá. As conversações marcaram a primeira reunião formal entre os líderes em 50 anos.

A remoção de Cuba da lista terrorista facilita o caminho para a abertura de uma embaixada dos Estados Unidos em Havana.

Outros países que ainda na lista são Irã, Sudão e Síria. O secretário de imprensa da Casa Branca, Josh Earnest, disse que, mesmo Cuba sendo retirada da lista, isso não muda o fato de que os EUA têm diferenças com o governo da ilha caribenha. “Nossas preocupações sobre uma ampla gama de políticas e ações de Cuba não se enquadram nos critérios que são relevantes para a possibilidade de rescindir a designação de Cuba como um Estado patrocinador do terrorismo”, disse.

Cuba foi designado como Estado patrocinador do terror em 1982. Até esta terça-feira, a ilha comunista continuou sendo um dos quatro países na lista norte-americana de nações acusadas de apoiar repetidamente o terrorismo global, as outras três nações são Irã, Sudão e Síria. (Com Associated Press e “The New York Times”)

© Copyright AFP / UOL

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s