Movimento separatista quer “plebiscito” para independência do Sul

O-SUL-É-MEU-PAÍS
Logotipo do movimento

O Movimento O Sul é Meu País anunciou que fará uma consulta pública para medir o apoio dos moradores de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul à proposta de separação do restante do Brasil. A ideia foi apresentada pela regional de Brusque e aprovada por lideranças dos outros dois estados.

Os separatistas querem que o “plebiscito” _ que em tese não poderia se chamar assim, já que não se trata de uma consulta oficial _ ocorra paralelo às Eleições municipais de 2016. Já fizeram consulta ao Tribunal de Justiça de Santa Catarina e afirmam que, se ficarem no lado de fora dos locais de votação, a prática não seria ilegal.

A consulta deve ocorrer apenas nos municípios onde há sede do movimento, incluindo cidades como Itajaí, Balneário Camboriú, Blumenau, Florianópolis e Joinville. Segundo Celso Deucher, presidente da regional brusquense, o Litoral catarinense concentraria o maior número de adeptos do separatismo.

Amostragem

A proposta do movimento é ouvir um milhão de pessoas _ na prática, um número bem pequeno diante dos 18 milhões de eleitores presentes nos três estados.

_ Queremos compr0var que existe esse sentimento entre nós _ diz Deucher.

Com o resultado do plebiscito os separatistas pretendem procurar a UNPO (Unrepresented Nations and Peoples Organization) _ Organização das nações e povos não representados, em tradução livre. O que, segundo Deucher, seria o primeiro passo para o “reconhecimento” de uma “nação sulista”.

capa_sul_livre
Capa da Revista Sul Livre

Movimento é inconstitucional, diz especialista

Professor da Univali, especialista em Direito Público, Constitucional e Administrativo e Mestre em Direito, Henrique Gualberto Bruggemann diz que o movimento é inconstitucional: a Constituição não admite ações que tenham o objetivo de desmantelar o Estado.

Segundo ele, a tese do Movimento O Sul é Meu País também não encaixaria nos preceitos da UNPO:

_ A princípio, a UNPO defende direitos humanos e culturais. Não conheço alegações no movimento que encaixem nisso.

Para saber mais sobre o movimento e sobre outros movimentos separatista, acesse os links:

© Copyright Diário Catarinense / Prof. Henrique D. F. Souza

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s